quarta-feira, 27 de maio de 2015

Salta uma rubrica como pipocas #8

Tenho dado por mim a ver dramas, atrás de dramas...não porque a minha vida está uma bosta... está um bocadinho... não, não está... talvez esteja... fica ao teu critério... Mas, porque estes têm surgido que nem cogumelos e prometem melhor qualidade do que os restantes géneros. E como tal tem sido difícil arranjar diferentes géneros e concentrá-los num só post. Mas vá, o que conta é a intenção.

The Water Diviner



Duração: 111 min
Género: Drama, Guerra
Cotação: 7,3 /10
Realização: Russell Crowe
Escrito por: Andrew Knight, Andrew Anastasios
Data de Estreia: 16 de Abril de 2015
Cotação Pessoal: 6,8/10

Ainda o mundo não tinha recuperado da 1ª Guerra Mundial, quando Joshua Connor tem que enfrentar um novo drama na sua vida, o suicídio da sua esposa. Em 1919, esta não suporta a dor causada pelo desaparecimento dos 3 filhos, todos alistados na campanha de Galípoli e põe termo à sua vida. Em processo de luto, Joshua embarca numa aventura e viaja até a Turquia para encontrar o corpo dos filhos que acreditava mortos em combate.
Na Turquia conta com a ajuda mais improvável e descobre que o filho Artur pode estar vivo e se está, porque não regressou a casa? É isto que Joshua tenta descobrir ao mesmo tempo que conhece Ayshe uma viúva que perdeu o marido na mesma missão.
Um hino à esperança e perseverança, quando acreditarmos pode ser o motor da nossa força.

Good People




Duração: 90 min
Género:Acção, Crime, Thriller
Cotação: 5,5 /10
Realização: Henrik Ruben Genz
Escrito por: Marcus Sakey e Kelly Masterson
Data de Estreia: 8 de Janeiro de 2015
Cotação Pessoal: 6,8/10

Anna e Tom são um casal que luta diariamente pela vida dos seus sonhos, uma boa casa, um filho e a felicidade plena. Contudo, as dificuldades económicas têm sido uma constante e um condicionante sempre presente. Até que descobrem que o seu inquilino morreu e encontram a simbólica quantia de 220000 libras escondidas.
Um dinheiro que prometia ser a solução de todos os seus problemas, passou a ser a causa de todos eles. Na luta pela sobrevivência contra o desconhecido, este filme revela engenho e criatividade. 
Eu gostei do argumento, da representação, mas chegou a um exagero que tornou o filme ligeiramente confuso.


Still Alice




Duração: 101 min
Género: Drama
Cotação: 7,5 /10
Realização: Richard Glatzer, Wash Westmoreland
Escrito por: Richard Glatzer, Lisa Genova
Data de Estreia: 5 de Fevereiro de 2015
Cotação Pessoal: 7/10

Alice é uma mulher de 50 anos, com uma família adorável, um casamento feliz, um trabalho prestigiado. Até que, como oradora numa palestra, começa a demonstrar colapsos de concentração e memória que foram evoluindo gradualmente até decidir procurar ajuda médica. Esta rapidamente diagnosticou Alzheimer precoce, neste caso hereditário, que a fez enfrentar não só a doença, mas a probabilidade de a ter transmitido aos seus filhos.
O final é bem inesperado, dizem que como houve o big bang e todo o universo apareceu, vai haver o seu desaparecimento com a mesma velocidade, e basicamente foi o que aconteceu com este filme, não gostei e por isso baixei a pontuação atribuída. A representação foi no geral excelente, não exagerada, nem caíram no cliché de dramatizar ao ponto de fazer chorar as pedras da calçada, mas sim com alguma levindade mas acima de tudo com força e coragem. 
É um bom filme para reflectires e dares importância a viver cada dia como se fosse o último. Nós morremos quando o nosso cérebro morre, ou quando ele já não nos reconhece?

Qual vais ver?

Sem comentários:

Enviar um comentário